Pesquisar propriedade ou conteúdo

CSR

Um lar para conforto de mais gente

Poder fechar a porta, ter um lugar ao qual poder chamar lar, é algo que nós temos como garantido, mas que milhões de crianças por todo o mundo não têm. Crianças que por causa de guerra, pobreza ou doença perderam ambos os pais e o seu lar.

Por cada casa que a Fastighetsbyrån tem possibilidade de mediar em Espanha ou Portugal contribuimos, por essa razão, com 10 euros para as Aldeias de crianças SOS. Em conjunto com os nossos serviços na Suécia, isso implica cerca de 45 000 mediações de casas e 450 000 euros que vão proporcionar o conforto de um lar a mais pessoas.

Aldeias de crianças SOS 
Aldeias de crianças SOS é uma das maiores organizações para os direitos das crianças do mundo, presente em 135 países espalhados pelo mundo. Ela colabora com atores locais para apoiar, a longo prazo, as crianças e famílias necessitadas bem como influenciar as autoridades a dar prioridade aos interesses das crianças. Através de ações de reforço às famílias, criação de aldeias infantis, ações de formação e saúde, ela proporciona às crianças carinho, assistência e condições para que elas cresçam e contribuam para um futuro sustentável.

O contributo da Fastighetsbyrån vai diretamente para a aldeia infantil da região de Atakpamé no Togo, África Ocidental. Mais de metade da população do Togo tem menos de 15 anos de idade e milhares de crianças perderam ou estão em risco de serem abandonadas pelos pais. O objetivo é possibilitar o acionamento da administração de pelo menos três casas na aldeia infantil, melhorando a vida das crianças que viverão aí. O apoio proporciona às crianças o conforto de um lar e uma família, bem como formação escolar, alimentação, vestuário e assistência médica.

Você também quer apoiar o trabalho das Aldeias SOS Infantis no Togo? Transfira a sua contribuição aqui
 
Estamos a construir a aldeia infantil do futuro em Atakpamé
Atakpamé é uma região caracterizada por uma percentagem extremamente elevada de pouplação jovem, mais de 62 por cento tem menos de 20 anos de idade dos quais quase 20 por cento com menos de cinco anos. A região é muitas vezes afetada por cheias, o que implica que muitas famílias perdem as casas e as possibilidades de sustento. Muitas pessoas sofrem de doenças graves, tais coAldeias de criançasmo malária, tuberculose e doenças causadas por parasitas. Há uma enorme falta de assistência médica.

Há falta de escolas na região, as que existem muitas vezes têm baixo nível de ensino, com salas de aula abarrotadas. Muitas crianças estão fora do sistema educativo. Um grande desafio em Atakpamé é a cultura tradicional do feitiço, que leva a que muitas crianças são sujeitas a violência ou são abandonadas devido a superstição.

O trafficking, também é praticado com frequência.  Muitas crianças, especialmente meninas, são forçadas a trabalhar em serviços domésticos na capital Lomé, bem como nos países vizinhos. Quando saem de casa, também são sujeitas a violência e abusos sexuais.

Aldeias de crianças SOS receberam terrenos doados pelas autoridades, que também participam na implementação dos programas. Os trabalhos em Atakpamé alcançarão cerca de 1500 crianças e as suas famílias, incluindo tanto assistência como programa de reforço às famílias. O trabalho é realizado em colaboração com as autoridades e outras organizações locais.

Aldeias de crianças SOS  integrada 
As crianças da aldeia infantil, vivem com a mãe da aldeia, a qual é aliviada por mães de limpeza e outras funcionárias. As casas são construídas espalhadas pela cidade, o que reduz o risco de estigmatização. As crianças tornam-se, assim, uma parte integrante da sociedade local, ao mesmo tempo que as famílias moram perto de outras famílias SOS, podendo apoiar-se mutuamente.